Aluna de Iniciação Científica do Centro de Saúde Escola Germano Sinval Faria participa do Programa de Vocação Científica (Provoc)

Aluna de Iniciação Científica do Centro de Saúde Escola Germano Sinval Faria participa do Programa de Vocação Científica (Provoc)
Larissa Barão, ex-estudante do Colégio Pedro II, unidade São Cristóvão foi orientada pelo Pesquisador André Pereira, do Laboratório Internet, Saúde e Sociedade (Laiss) do Centro de Saúde Escola Germano Sinval Faria.

Annalu Pinto da Silva.

Aluna de Iniciação Científica do Centro de Saúde Escola Germano Sinval Faria participa do Programa de Vocação Científica (Provoc)

Larissa Barão, ex-estudante do Colégio Pedro II, unidade São Cristóvão foi orientada pelo Pesquisador André Pereira, do Laboratório Internet, Saúde e Sociedade (Laiss) do Centro de Saúde Escola Germano Sinval Faria.

O objetivo da monografia de Larissa foi comparar o perfil de consumo de informações sobre saúde na Internet entre jovens do Colégio Estadual Professor Clóvis Monteiro, de Manguinhos e os da Escola Parque da Gávea, colégio privado da elite social da cidade.

Participar do Programa de Vocação Científica da Fiocruz foi uma experiência incrível. Nesta instituição, conheci pessoas maravilhosas que me transmitiram os mais diversos conhecimentos. Toda essa vivência mudou a minha vida e me tornou mais empoderada, avalia Larissa..

O Programa de Vocação Científica da Escola Politécnica envolve estudantes do ensino de médio de alguns colégios da cidade. Eles passam quatro horas por semana em um laboratório da Fiocruz onde desenvolvem alguma atividade de pesquisa. Nos últimos dois anos e meio tive a satisfação de acompanhar de perto o trabalho desenvolvido por Larissa, afirma André.

Resumo da Monografia

A popularização da Internet contribuiu, nos últimos anos, para a reconfiguração da maneira pela qual as pessoas se relacionam, acessam, percebem e produzem informações. Há mais informação disponível e ela é cada vez mais fácil e rapidamente acessível. Estas mudanças têm implicações na saúde, uma vez que estas informações podem conferir poder ao indivíduo, interferindo na relação médico-paciente. Alguns indivíduos nascidos após 1980 cresceram inseridos em um mundo digital. Por esta razão eles se relacionam com estas tecnologias de uma forma diferente. Eles integram a chamada “Geração Y”. Entretanto, nem todos os cidadãos têm acesso à Internet. A exclusão digital é uma expressão da exclusão social. Esta pesquisa foi realizada com dois grupos de jovens da “Geração Y”, ambos compostos por estudantes do 2º ano do Ensino Médio: Um da Escola Parque da Gávea, colégio de elite social da cidade e outro com alunos do Colégio Estadual Professor Clóvis Monteiro, de Manguinhos, onde estudam jovens de baixa renda. Neste cenário, três QUESTÕES fomentaram esta pesquisa: Os adolescentes de baixa renda podem ser considerados excluídos digitais? Existem diferenças no perfil de acesso e de consumo de informação na Internet entre jovens de baixa renda e jovens com nível socioeconômico mais elevado? Que importância as questões de saúde ocupam na busca de informações online entre estes jovens? OBJETIVO: analisar o perfil de consumo de informações sobre saúde na Internet de jovens de diferentes classes sociais. METODOLOGIA: Realizamos uma pesquisa quantitativa, através da aplicação de questionários a 100 estudantes do 2º ano de cada um destes estabelecimentos. RESULTADO: Noventa e nove por cento dos estudantes entrevistados da escola pública acessam a Internet, cinco horas ou mais por dia, em grande parte pelo telefone celular, em redes sem fio. Nos dois casos 90% buscam por informações sobre saúde na Internet. CONCLUSÃO: A exclusão digital tende a desaparecer com a internet portátil no celular

Conheça o Provoc , no link: http://www.juventudect.fiocruz.br/iniciacao-cientifica/provoc-programa-d...

Conheça o Laiss: http://andromeda.ensp.fiocruz.br/laiss/home/quemsomos